Quem somos
|
Arquivo
|
Anuncie
|
Contato
|
Sua página inicial


início
prêmios
lavras tem
agenda
busca


cotidiano / Educação /


Publicada em: 19/01/2020 13:14 - Atualizada em: 20/01/2020 10:30
Professor da Ufla fala sobre o uso de dietilenoglicol na indústria cervejeira
Cerveja contaminada por substância química: subiu para 19 o número de casos suspeitos de intoxicação exógena por dietilenoglicol

Cerveja artesanal da Backer foi contaminada com substância química que já matou e deixou pessoas em estado grave. Foto extraída dop site Vertente das Gerais

 

  Jornal de Lavras:  (35) 9 9925.5481    @jornaldelavras     @jornaldelavras    @jlavras    

As marcas de cerveja da empresa mineira Backer foram interditadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a decisão da Agência foi tomada após uma nova divulgação de análises feitas pelo Ministério da Agricultura, que comprovou a contaminação pelas substâncias monoetilenoglicol e dietilenoglicol, que já matou quatro pessoas e deixou quase duas dezenas de pessoas internadas, muitas delas em estado grave. Mas o que são essas substâncias? Para que elas servem e como são utilizadas na indústria cervejeira?

O professor universitário Sérgio Scherrer Thomasi, do Departamento de Química (DQI), da Universidade Federal de Lavras (Ufla), explica que substâncias químicas são essas e como elas são usada na fabricação da cerveja.

Sérgio Scherrer Thomasi explica que o uso do monoetilenoglicol e do dietilenoglicol na indústria é uma prática comum. "São essas substâncias que vão impedir o congelamento da água que circula na serpentina durante o processo de resfriamento do líquido em questão. Com a adição de monoetilenoglicol ou dietilenoglicol a água permanece em estado líquido a -5 ºC, mas essa água de resfriamento com anticongelante não deve entrar em contato com a cerveja", ressalta.

Quando uma pessoa é intoxicada com o monoetilenoglicol ou dietilenoglicol, o volume de substância ingerida é determinante para agravar o caso, conforme explica o pesquisador "para levar ao óbito, por exemplo, a pessoa precisa ter ingerido de 10 a 20 gramas de dietilenoglicol e mais ainda se for o monoetilenoglicol".

Uma alternativa para a indústria, apontada pelo pesquisador, é substituir essas substâncias pelo trietilenoglicol, também chamado de triglicol, que possui a mesma finalidade. "Esse composto é muito caro, cerca de cinco vezes mais do que o dietilenoglicol, o que poderia elevar o preço do produto final, contudo, o trietilenoglicol tem a vantagem de não ser tóxico e realizar o mesmo processo de resfriamento".

Clique AQUI e comente no facebook do Jornal de Lavras

 
www.jornaldelavras.com.br
A informação a um click de você
#jornaldelavras Eduardo Cicarelli Sabrina Cicareli

Leia também:

Ufla obtém resultados de excelência no Enade Agência da Copasa em Lavras voltou com o atendimento presencial, mas com restrições
   
Inaugurado na Ufla, o LabCovid, que realizará exames de diagnóstico da Covid - veja fotos Ufla, em parceria internacional, realiza pesquisa inédita sobre a reconstrução do clima da Amazônia
   
Vacinação contra sarampo para jovens e adultos em Lavras vai até o dia 30 Bombeiros de MG atenderam a 40 afogamentos nos 12 primeiros dias de outubro
.

Flashes de Notícias

.  

Blog Sabrina Cicareli:

Decoração da minha Kitnet Tudo de Bom no Os Mais Influentes Revista Elitte 2019
   
Tudo de Bom no Destaque Sales Pesquisa Lavras 2019 Série Viajadamente no Chile - Parte 7 - Valle Nevado
   
Série Viajadamente no Chile - Parte 6 - Tour em Santiago Série Viajadamente no Chile - Parte 5 - Tour em Santiago
   
Série Viajadamente no Chile - Parte 4 - Tour em Santiago Série Viajadamente no Chile - Parte 3 - Tour em Santiago
   
Série Viajadamente no Chile - Parte 2 - Tour em Santiago Série Viajadamente no Chile - Parte 1 - Tour por Santiago
   

.

Voltar Envie para um amigo


 www.jornaldelavras.com.br - A informação a um click de você
Lavras/MG
WhatsApp: (35) 9 9925-5481
Instagram: @jornaldelavras 
Twitter: twitter.com/jlavras 
Facebook: www.facebook.com/jornaldelavras