Quem somos
|
Arquivo
|
Anuncie
|
Contato
|
Sua página inicial


início
prêmios
lavras tem
agenda
busca


cotidiano /


Publicada em: 19/10/2019 14:37 - Atualizada em: 20/10/2019 13:45
Ufla pesquisa embalagens sustentáveis feitas de óleo de copaíba
O futuro das embalagens: pesquisas da Ufla reduzem impactos ambientais com a criação de embalagens sustentáveis

Produção de embalagem de pectina com óleo essencial de copaíba

 

  Jornal de Lavras:  (35) 9 9925.5481    @jornaldelavras     @jornaldelavras    @jlavras    
 

Para que uma embalagem seja considerada sustentável, é preciso levar um conta uma série de aspectos, muitos pensam que basta que ela seja composta por material reciclável

Já imaginou chegar ao mercado e encontrar uma embalagem que possa te mostrar se o produto está apto para o consumo, ou que proporcione um sabor a mais à sua carne enquanto evita a proliferação de microrganismos? E se essas embalagens pudessem ser fabricadas utilizando fontes renováveis e sustentáveis? Você se sentiria melhor ao saber que compra um produto em que há preocupação com o nosso meio ambiente? 

Atualmente, as indústrias têm como principais matérias-primas o papel, o vidro, o plástico e o metal. As embalagens facilitam o transporte, o armazenamento e o consumo, mas seu descarte inadequado pode causar danos ao meio ambiente. A preocupação ambiental e com a segurança alimentar fez surgir no mercado um novo conceito conhecido como Smart Packaging (Embalagem Inteligente) que tem se difundido em todo o mundo.  As embalagens inteligentes trazem consigo a sustentabilidade, pela possibilidade de serem biodegradáveis e utilizarem materiais facilmente encontrados na natureza. Além disso, proporcionam uma experiência sensorial, mostrando, por exemplo, se aquele produto mantém seu sabor e validade. Essas inovações prolongam a vida de prateleira e têm sido um grande campo de pesquisa. "Nós já encontramos no mercado internacional algumas dessas embalagens que trazem consigo uma multidisciplinaridade de áreas", diz o professor Juliano Elvis de Oliveira, do Departamento de Engenharia da Ufla.

É o futuro das embalagens! Tema destaque da terceira edição da Revista Ciência em Prosa, publicação semestral da Diretoria de Comunicação da Ufla que visa a popularizar a ciência. No Minuto do Campus, a partir de hoje, você conhece uma série de pesquisas desenvolvidas por vários departamentos da Ufla que revelam uma preocupação com a sustentabilidade, que já é traço marcante da Ufla.

Muito usados nas embalagens, os óleos essenciais trazem diversos benefícios por terem função antibacteriana, anti-inflamatória e conferirem até um sabor a mais ao alimento. No Laboratório de Materiais e Biossistemas do Departamento de Engenharia (DEG), as pesquisas visam a desenvolver embalagens a partir de polímeros biodegradáveis para aplicações nas mais diferentes áreas. No laboratório, é possível avaliar a biodegradação dos materiais seguindo diversas normas técnicas nacionais e internacionais.

Uma dessas pesquisas utilizou um polímero natural conhecido como pectina - encontrado na casca de laranja e em outros vegetais – juntamente com o óleo essencial de copaíba para desenvolver filmes biodegradáveis. "Nosso objetivo foi tornar esse filme antimicrobiano, podendo auxiliar na redução de patógenos presentes em alguns tipos de alimentos; porém, queríamos saber se a incorporação dessas nanoestruturas antimicrobianas prejudicaria a ação biodegradável desse filme no meio ambiente", explica o professor Juliano Elvis de Oliveira.

O projeto de mestrado da estudante de pós-graduação Laís Bruno Norcino foi desenvolvido em parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e teve apoio financeiro da Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (Fapemig). "Desenvolvemos uma embalagem ativa que vai interagir com o alimento e aumentar sua vida de prateleira. Mesmo adicionando o óleo de copaíba, esse filme permaneceu biodegradável, o que nos levou a ter uma embalagem multifuncional: ativa e biodegradável." Agora, segundo os pesquisadores, o próximo passo do estudo é a avaliação sensorial do filme em alimentos como carne ou pão. "É importante saber se esse filme seria aceito pelos consumidores", diz Laís.

Desenvolvido pela Embrapa, o método Casting contínuo produz em poucas minutos folhas de plástico biodegradável em larga escala. As películas são feitas com o uso de formulações aquosas de substâncias naturais, como o amido e o colágeno. Já o método de Extrusão é muito comum na indústria e utiliza a compressão feita por uma rosca metálica para produzir filmes plásticos, chapas, sacolas e até alimentos.

Fonte: Ascoms/Ufla

Clique AQUI e comente no facebook do Jornal de Lavras

 
www.jornaldelavras.com.br 
A informação a um click de você
#jornaldelavras Eduardo Cicarelli Sabrina Cicareli

Leia também:

Começou a corrida eleitoral na Ufla para a escolha de Reitor e Vice Divulgada a agenda de Final de Ano do coral Meninas Cantoras de Lavras
   
Seminário de Inovação e Empreendedorismo será realizado em Lavras Ciro Gomes vem a Lavras ministrar palestra para alunos do Curso de Direito da Ufla
   
Atleta lavrense Mariela de Abreu vence concurso de Artigos Científicos PM de Lavras prende casal de traficantes
.

Flashes de Notícias:

Novo colégio na cidade Evacuação de prédio por risco de desabamento
   
CEPs específicos por rua Burger King em Lavras
   
Descoberta de que jovem assassinada estava grávida - entrevista com a delegada Projeto de regulamentação do serviço de Mototaxista
.  

Blog Sabrina Cicareli:

Série Viajadamente no Chile - Parte 6 - Tour em Santiago Série Viajadamente no Chile - Parte 5 - Tour em Santiago
   
Série Viajadamente no Chile - Parte 4 - Tour em Santiago Série Viajadamente no Chile - Parte 3 - Tour em Santiago
   
Série Viajadamente no Chile - Parte 2 - Tour em Santiago Série Viajadamente no Chile - Parte 1 - Tour por Santiago
   

.

Voltar Envie para um amigo


 www.jornaldelavras.com.br - A informação a um click de você
Lavras/MG
WhatsApp: (35) 9 9925-5481
Instagram: @jornaldelavras 
Twitter: twitter.com/jlavras 
Facebook: www.facebook.com/jornaldelavras