Quem somos
|
Arquivo
|
Anuncie
|
Contato
|
Sua página inicial


início
prêmios
lavras tem
agenda
busca


/ Tecnologia /


Publicada em: 05/06/2019 13:44 - Atualizada em: 05/06/2019 18:38
Ufla está criando um "super arroz", um cereal biofortificado
Um dos mais importantes passos na melhoria da qualidade dos produtos alimentícios nos últimos anos é representada pela fortificação de alimentos

Imagem Flickr

O crescimento populacional obriga aumentar a produção de alimentos no mundo, porém, em algumas regiões faltam espaço, água, terras agricultáveis e outros fatores que associados a miséria dificultam a expansão agrícola. Menos alimento, mais pessoas com deficiência. A fortificação de alimentos tem sido uma força utilizada para suprir e corrigir manifestação de deficiência e assegurar que a ingestão de vitaminas e minerais atinja os níveis recomendados.

Na Universidade Federal de Lavras (Ufla) está sendo desenvolvido um trabalho de fortificação do arroz, já que ele é a dieta alimentar de todos os brasileiros e em grande parte do mundo, o arroz está na mesa de milhões de pessoas.

Sua importância é tamanha que seu cultivo é realizado nos cinco continentes. Dados da Food and Agriculture Organization of the United Nations (FAO) apontam que o consumo brasileiro de arroz é de aproximadamente 52,5 quilogramas por habitante por ano. Fonte de carboidratos, proteínas, sais minerais e vitaminas, o alimento é um dos grandes aliados para conter a fome no mundo.

A professora Flávia Barbosa Silva Botelho coordena na Ufla o Programa Melhor Arroz, realizado em parceria com a Epamig e a Embrapa Arroz e Feijão. Entre as linhas de pesquisa desenvolvidas pelo programa, há cerca de dois anos teve início a biofortificação com zinco e selênio.

"O Departamento de Ciência do Solo (DCS) entra com a biofortificação agronômica, e nós entramos com a biofortificação genética, que estuda a variabilidade genética dos nossos materiais para que o produtor possa aplicar zinco ou selênio de forma que esse nutriente possa ser absorvido da melhor forma pela planta. Assim, teremos um grão totalmente biofortificado por zinco e selênio", explica Flávia.

De acordo com a pesquisadora, são avaliados mais de 40 genótipos do banco de elite de grãos de arroz - que são sementes que já foram testadas e estão no programa de melhoramento há mais de oito anos. "Começamos primeiro testando 20 linhagens elites do nosso programa, e verificamos que algumas absorvem a quantidade perfeita de zinco para recomendação. No momento em que lançarmos essas linhagens com melhores resultados, elas serão um diferencial de escolha pelo seu apelo político e social".

Após identificarmos as linhagens com maior potencial de absorção dos nutrientes, elas foram plantadas na Fazenda Experimental da Ufla. Há um experimento de arroz biofortificado com zinco, outro com selênio e um blend com ambos. Eles serão avaliados em breve. A pós-doutoranda em Ciência no Solo, Ana Paula Corguinha, explica como é feita a parceria. "Utilizamos três variedades dos experimentos da professora Flávia, e fazemos a aplicação dos micronutrientes via solo ou de maneira foliar". Após avaliação da produtividade, as amostras de grãos e de folha que estão sendo cultivadas são encaminhadas para análise das concentrações de micronutrientes para avaliar quais variedades tiveram melhor resposta às aplicações.

Para a professora Flávia, o foco principal para o consumo biofortificado de arroz seriam as escolas e creches públicas como forma de melhorar a alimentação das crianças, e também de famílias de baixa renda, já que o arroz é a base de nossa dieta e dessa forma contribuiria para diminuir a chamada fome oculta. "O arroz é uma questão social; trabalhando com essa cultura, estamos alimentando o mundo", disse.

Os novos conceitos de otimizar funções fisiológicas e prevenir doenças crônicas, associado ao fato da sociedade moderna preocupada com a saúde física, resultam em um aumento na produção e comercialização dos alimentos fortificados.

O impacto da fortificação na dieta total precisa ser considerada, pois deve ser adicionado numa forma biologicamente disponível, além de apresentar segurança contra ingestão excessiva, ao nível de toxidez.

O trabalho tem por objetivo apresentar a definição e pontos importantes da fortificação de alimentos, a importância das vitaminas e minerais para saúde humana, a legislação vigente: Portaria n° 31, Portaria n° 33, Portaria n° 27, Portaria n° 42 e a Resolução n° 40 relativos à alimentos fortificados, e os alimentos comercializados.

www.jornaldelavras.com.br
A informação a um click de você 
 

Leia também:

 

Polícia Civil desmantela quadrilha de estelionatários em Lavras - veja fotos
PM identificou homem que fez incitação criminosa contra policiais em Lavras
Marília Mendonça já estava contratada para fazer show em Lavras no próximo LRF; anúncio seria feito na semana que vem
Mulher de Lavras perdeu o celular e fez BO de roubo para aplicar golpe na seguradora
Divulgação sobre a instalação de empresa indiana em Lavras gerou questionamentos nas redes sociais
Rayanna Lima, a Princesa Teen Lavras 2020, venceu o concurso de Miss Minas Gerais Unificado 2021 em BH
PM prende no centro de Lavras, homem acusado de estupro em Itutinga
Autoridades já identificaram 15 dos 26 corpos do bando do "novo cangaço"
Bombeiros de Lavras atenderam acidente com caminhão carregado com diesel em Macaia
Confronto entre polícia e bandidos termina com 25 mortos em Varginha
Aumentou o número de cientistas da Ufla no ranking dos mais influentes do mundo
Receita Federal encontra inconsistência em declarações de empresas de Lavras
Ufla é a instituição de Minas Gerais com maior porcentual de cursos 5 estrelas
Vestibular de bolsas do Unilavras está com inscrições abertas
Polícia Civil recupera carga de sucata furtada e prende três pessoas em Lavras
Voltar Envie para um amigo


 www.jornaldelavras.com.br - A informação a um click de você
Lavras/MG
WhatsApp: (35) 9 9925-5481
Instagram: @jornaldelavras 
Twitter: twitter.com/jlavras 
Facebook: www.facebook.com/jornaldelavras