Quem somos
|
Arquivo
|
Anuncie
|
Contato
|
Sua página inicial


início
prêmios
lavras tem
agenda
busca


destaque / História /


Publicada em: 29/05/2019 08:45 - Atualizada em: 29/05/2019 14:05
A Esquadrilha da Fumaça e algumas coincidências com Lavras
É de Lavras o seu assessor de imprensa e em Lavras mora o filho de Wilhelm H.F. Stein, engenheiro responsável pela fabricação do T6 e que depois participou da fabricação dos atuais Tucanos na Embraer

É de Lavras o seu assessor de imprensa e em Lavras mora o filho de Wilhelm H.F. Stein, engenheiro responsável pela fabricação de seus primeiros aviões o T6 em Lagoa Santa e depois participou da fabricação dos atuais Tucanos na Embraer

 

  Jornal de Lavras:  (35) 9 9925.5481    @jornaldelavras     @jornaldelavras    @jlavras    

Além do atual assessor de imprensa da esquadrilha da fumaça, o tenente Marcus Vinicius Costa Lemos, ser de Lavras, mora em nossa cidade há mais de 15 anos, o jornalista Diter Stein, filho do engenheiro aeronáutico  Wilhelm Henrich Friedrich Stein (foto), responsável pela fabricação em Lagoa Santa, Minas Gerais, de 81 aviões NA T6, produzidos para o Ministério da Aeronáutica através de licença da North American Aviation, aviões com os quais a Esquadrilha da Fumaça  foi criada e utilizados por décadas, até serem substituídos pelos atuais Tucanos, cuja fabricação, o engenheiro Stein também teve participação.

Assim que o último T6 foi entregue em Lagoa Santa, o engenheiro Stein foi convidado pelo Marechal Montenegro, fundador e criador do ITA (Instituto Tecnológico da Aeronáutica) e do CTA (Centro Técnico Aeroespacial), que participava da solenidade, para fazer parte do IPD (Instituto de Pesquisas e Desenvolvimento), em São José dos Campos (SP), um centro de pesquisas que deveria ser a origem da indústria aeronáutica no Brasil, onde foi projetado o Bandeirante, do qual originou a EMBRAER. Ao participar do grupo que fundou a Embraer, juntamente com o coronel Ozires Silva, o engenheiro Stein, mais uma vez, participou da fabricação dos aviões que seriam utilizados pela Esquadrilha da Fumaça, o EMB-312 Tucano, projeto nacional, que a partir de 1983 substituiu os antigos T6.

Se o Brasil tem hoje a Embraer como a terceira maior fabricante de aviões do mundo, hoje sócia da Boeing, isto se deve muito ao Marechal Casemiro Montenegro, ao ITA, CTA e ao IPD. O parque industrial aeronáutico alemão estava destruído devido a guerra e muitos cientistas procuravam outros países para desenvolverem seus projetos, como Werner Von Braun e sua equipe que desenvolveu para a NASA os foguetes Apolo.

Seguindo uma sugestão do engenheiro Stein, o Marechal Montenegro convidou o pioneiro da aviação alemã, construtor de aviões e pioneiro na construção de helicópteros, o engenheiro Heinrich Focke, fundador da  Focke-Wulf Flugzeugbau AG, fabricante do famoso caça da segunda guerra, o FW 190, e sua equipe, para desenvolverem seu protótipo no IPD, o projeto Convertplan, um avião que decolaria na vertical como os helicópteros e voaria na horizontal como os famosos Harrier, que os ingleses desenvolveriam anos depois. Entre os cientistas do grupo Focke, estava a nata da tecnologia aeronáutica alemã da época. A ideia do Marechal Casimiro era misturar os engenheiros recém formados pelo ITA a este grupo. Um brasileiro, o então coronel Ozires Silva, formado pelo ITA, se destacou no grupo, tornou-se depois o diretor do IPD e fez história na construção aeronáutica do Brasil.

Segundo Roberto Pereira de Andrade, autor do livro "A construção aeronáutica no Brasil" o engenheiro Wilhelm H. F. Stein, pai de Diter Stein, daqui de Lavras, é um dos pioneiros da construção aeronáutica no Brasil, chegou ao Brasil em 1937, através de contrato do Presidente Getúlio Vargas com a Focke-Wulf, empresa da qual Stein era um dos responsáveis pela fabricação, para aqui produzir 3 modelos de aviões da empresa: o FW 44, o FW 58 encerrando com a construção do FW 200. A fábrica foi construída pela Marinha na ilha do Galeão no Rio de Janeiro e lá sob a direção do engenheiro Stein fabricou 40 aviões de treinamento FW 44 Stiglizt, 35 bombardeiros FW 58 Weihe, que foi o primeiro avião bimotor fabricado no Brasil. A próxima linha de aviões da Focke- Wulf a ser fabricada pelo contrato, seria o FW 200 Condor, um quadrimotor para passageiros, considerado o mais moderno avião comercial da época, mas que, com o início da II Guerra Mundial, teve o contrato rompido.

Com a eclosão da guerra, o engenheiro Stein escolheu o Brasil como sua pátria e se naturalizou brasileiro. Com a guerra a indústria aeronáutica brasileira ficou paralisada, neste momento o Engenheiro Stein conheceu o mineiro Joaquim Rolla, que havia ganho o Cassino da Urca em uma mesa de jogo e com ele participou da construção do hotel Quitandinha em Petrópolis, esperando a guerra acabar. Mas esta é uma outra história.

No final da guerra, hospedado no Hotel Quitandinha, encontrou um velho conhecido, o Marechal Armando Trompowsky, na época Ministro da Aeronáutica do governo Dutra, que o convidou a voltar para a indústria aeronáutica e a fabricar para a aeronáutica os aviões T6 em Lagoa Santa.

Em 1967, o engenheiro Stein recebeu das mãos do presidente Castelo Branco, a Ordem do Mérito Aeronáutico pelos serviços prestados a Aeronáutica Brasileira e veio a falecer em 1998, aos 99 anos.

Legenda das fotos da galeria abaixo:

1-O robusto T6, fabricado em Lagoa Santa

2-Entrega dos primeiros T 6 fabricados em Lagoa Santa

3- Esquadrilha de T6 preparando decolagem

4-T6, caracterizado com a pintura que a esquadrilha da fumaça utilizava

5-O primeiro FW-58 Weihe, fabricado na Ilha do Governador, tem seu trem de pouso examinado pelo eng Stein.

6-A entrega dos 10 primeiros F-58, prontos para realizarem seu primeiro vôo

8-O FW200 em Nova York, terceiro modelo que seria  fabricado pela equipe do Engenheiro Stein na Ilha do Governador, de acordo com o contrato com a Focke Wulf- Getúlio Vargas

9-O engenheiro Stein entre integrantes da equipe do Grupo Focke, ao fundo o protótipo do helicóptero Beija Flor.

10-O diretor, do IPD na época, coronel Aldo Rosa, mostra o Beija Flor, protótipo fabricado pele equipe do Grupo Focke, cujo piloto de provas era o então coronel Piva

11-Protótipo do Bandeirante em fabricação nas instalações do IPD, no CTA

12-O Bandeirante sai da oficina em seu primeiro vôo, seu projetista, o engenheiro Max Holste e o eng. Stein

13- A EMBRAER torna-se a terceira maior fabricante de aviões do mundo, torna-se sócia da Boing, e a segunda maior fonte de receita de exportação do país, resultado de uma longa história de muito trabalho de visionários que acreditaram e mudaram a história do país.

(clique nas miniaturas para ver as fotos em tamanho real ou, para ver todas na sequencia, clique no link SlideShow do lado direito da galeria):

Aeronaves. Fotos: Arquivo pessoal de Diter Stein - 13 fotos


Clique AQUI e comente no facebook do Jornal de Lavras

 
www.jornaldelavras.com.br 
A informação a um click de você
#jornaldelavras Eduardo Cicarelli Sabrina Cicareli

Leia também:

Lavras vai sediar o 1º Festival da Agroindústria e Música Caipira Idoso morre atropelado em Lavras
   
Ônibus da Gardênia pega fogo em Lavras, na BR-265 Acidente no centro de Lavras: carro bate em ponto de ônibus na rua Francisco Salles
   
Centro de acolhimento de menores infratores será construído em Lavras Associação de Moradores do Bairro Baunilha divulga nota sobre eventos naquela localidade
.

Flashes de Notícias:

Furto de tapetes de grama na "Ponte Branca" Manifestação do movimento "Pelo Brasil" em Lavras
   
Nova remessa de vacinas contra gripe para Lavras Esquadrilha da Fumaça já chegou em Lavras para apresentação 
   
Parcelamento de multas, IPVA, Licenciamento e DPVAT em até 12 vezes no cartão Seletiva técnica do concurso Miss Lavras 2019
Voltar Envie para um amigo


 www.jornaldelavras.com.br - A informação a um click de você
Lavras/MG
WhatsApp: (35) 9 9925-5481
Instagram: @jornaldelavras 
Twitter: twitter.com/jlavras 
Facebook: www.facebook.com/jornaldelavras