Quem somos
|
Arquivo
|
Anuncie
|
Contato
|
Sua página inicial


início
prêmios
lavras tem
agenda
busca


cotidiano / Meio Ambiente /


Publicada em: 07/11/2018 20:23 - Atualizada em: 08/11/2018 09:40
Pesquisa na Ufla usa microrganismos no tratamento de resíduos oleosos
Apenas 10% dos óleos de cozinha são reciclados, o restante é despejado na pia, no chão, jogado no lixo e outras formas inadequadas

Descarte inadequado do óleo de cozinha pode comprometer o meio ambiente e a tubulação de sua casa. Foto extraída do site leonardoconcon.com.br

 

 

  Jornal de Lavras:  (35) 9 9925.5481    @jornaldelavras     @jornaldelavras    @jlavras    

O descarte inadequado do óleo de cozinha usado pode gerar graves danos ambientais, o descarte de forma incorreta, como ralos de pia, bueiros, vasos sanitários e outras formas, podem degradar o meio ambiente. As populações de microrganismos aeróbios começam a diminuir pela falta de oxigênio, dando espaço para a proliferação de microrganismos anaeróbios. Grande quantidade de sais minerais (principalmente fosfatos e nitratos) provenientes dessa massa morta (organismos mortos e esgoto) em decomposição começa a se misturar na água.

A grande quantidade de sais minerais favorece o aparecimento e proliferação de plantas aquáticas e algas pluricelulares que se instalam na superfície da água dificultando a passagem da luz para as camadas inferiores da coluna d'água. Tendo sua fotossíntese bloqueada pela ausência de luz, as algas bentônicas começam a morrer, diminuindo ainda mais a quantidade de oxigênio dissolvido.

Cada litro do produto pode contaminar 20 mil litros de água e provocar a morte de vários seres vivos. Já o descarte correto permite a reciclagem do resíduo e a produção de produtos que vão gerar renda e ajudar a movimentar a economia. O mais importante deles é o biodiesel, combustível mais limpo do que os fósseis em uma proporção de até 70%.

Estima-se que apenas 10% dos resíduos de óleo de cozinha são reciclados e o restante descartados de forma incorreta. Minimizar esse tipo de impacto, buscando alternativas para o tratamento de resíduos oleosos, é o objetivo da pesquisa desenvolvida pela doutoranda Marcela Melo no Programa de Pós-Graduação em Microbiologia Agrícola da Universidade Federal de Lavras (Ufla). 

A pesquisa baseia-se em experimentos com organismos microscópicos, como bactérias, fungos e leveduras. No mestrado, finalizado recentemente, Marcela trabalhou com microrganismos presentes no alperujo, resíduo muito oleoso derivado do processamento do azeite de oliva. Foram isoladas leveduras e bactérias produtoras de limpasse, enzima cuja principal função é quebrar a gordura em moléculas menores.

As leveduras e as bactérias foram introduzidas, em conjunto, em um meio de cultivo composto por 50% de água, 50% óleo de cozinha já usado na fritura de alimentos e uma mistura de 1% de nitrogênio e fosfato, necessária para induzir o crescimento dos microrganismos. "Os resultados demonstraram que os microrganismos conseguiram degradar o óleo", afirma a pesquisadora.

A quebra das moléculas de óleo confirmou a aplicabilidade das leveduras estudadas no tratamento de resíduos. De acordo com a pesquisadora, os microrganismos podem ser utilizados para tratamento de detritos domésticos e industriais. "Em uma indústria de laticínios, por exemplo, as leveduras produtoras de lípase" (enzima presente no organismo humano, principalmente no pâncreas, intestino e fígado) "podem ser usadas após o tratamento primário de resíduos, para reduzir a alta concentração de gordura e não comprometer as fases seguintes do tratamento", explica Marcela.

Até o momento, foram realizados experimentos em escala laboratorial, em condições ambientais totalmente controladas. Para a aplicação prática dos microrganismos, no entanto, é necessário realizar experimentos também em estações de tratamento de resíduos, onde fatores ainda não considerados na pesquisa também podem interferir.

A dissertação foi orientada pela professora Cristina Batista, coordenadora do Núcleo de Estudos em Microbiologia Ambiental e Industrial. De acordo com a docente, a pesquisa foi norteada pelo objetivo do núcleo de "buscar soluções ou alternativas de aproveitamento e, simultaneamente, de tratamento de resíduos que são produzidos n! a indústria e dentro de nossas casas".

Clique AQUI e comente no facebook do Jornal de Lavras

 
www.jornaldelavras.com.br 
A informação a um click de você
#jornaldelavras Eduardo Cicarelli Sabrina Cicareli

Leia também:

STJ nega recurso do Canil de Lavras em processo proposto pelos vizinhos do Parque Francisco de Assis Cosplay Lavras 2019: Evento reuniu mais de 2.000 fãs da cultura pop
   
Ladrões arrombaram caixas eletrônicos na Ufla Funed vai analisar material recolhido de estudante da Ufla que morreu em Lavras
   
Ufla oferece planta de casa gratuitamente para população vulnerável de Lavras Violência em Campo Belo: rapaz é agredido por grupo de jovens
.

Flashes de Notícias:

Resultado do exame de H1N1 do estudante da Ufla que faleceu Interesse da Europa no agronegócio da região de Lavras
   
Curso de capacitação do S.I.M. Show de Matheus & Kauan no Open LRF 2019
   
Licitação da empresa de ônibus Final do Concurso Miss Brasil Café 2019

Voltar Envie para um amigo


 www.jornaldelavras.com.br - A informação a um click de você
Caixa Postal: 98 - CEP: 37.200-000 - Lavras/MG
WhatsApp: (35) 9 9925-5481
Instagram: @jornaldelavras 
Twitter: twitter.com/jlavras 
Facebook: www.facebook.com/jornaldelavras