Quem somos
|
Arquivo
|
Anuncie
|
Contato
|
Sua página inicial


início
prêmios
lavras tem
agenda
busca


destaque / História /


Publicada em: 05/11/2016 20:57 - Atualizada em: 06/11/2016 18:08
Tropeirismo: no lombo da mula, rota dos tropeiros em Lavras será revivida
Grupo quer resgatar a história do tropeirismo em Lavras, tropeiros eram os homens que transportavam gado e mercadoria

Tropeiros cruzavam o país levando e trazendo mercadorias que eram vendidas no comércio e nas fazendas. Fotos extraída do livro Retalhos Históricos do Sul de Minas

 

 

  Jornal de Lavras:  (35) 9 9925.5481    @jornaldelavras     @jlavras    

Lavras foi no passado, nos séculos XVIII e XIX, importante passagem de tropeiros, pois aqui existia a única travessia sobre o rio Grande, ela era realizada na ponte do lugar denominado Funil, a ponte foi construída em 1844 por iniciativa do comendador José Esteves de Andrade Botelho.

Ela era de madeira e coberta com telhas e nas extremidades havia dois lampiões de cada lado. Após a conclusão da ponte, no dia 27 de junho de 1845, foi concedida a "Companhia Amante da Indústria", de Ouro Preto, o direito de explorar o pedágio da ponte sobre o rio Grande, a partir de então, Lavras tornou-se ponto estratégico de tropeiros, que viajavam com suas boiadas, com suas tropas de mulas carregando tecidos, sal, utensílios de cozinha, louças e outros objetos que eram vendidos nas comunidades e na zona rural.

Os tropeiros chegavam à Vila de Lavras e se alojavam no "ponto de parada", um descampado que existia onde hoje é a garagem da Porto Turismo e praça Dr. José Esteves, naquele lugar existia, até bem pouco tempo, uma enorme paineira e sobre sua sombra eles descansavam para seguir viagem. Isso antes mesmo da chegada da ferrovia.

A grande enchente de 1906 levou a ponte de madeira e os tropeiros ficaram sem opção de travessia, isso até 1907, quando a boa notícia correu: no dia 4 de março de 1907 chega a Ribeirão Vermelho a ponte metálica adquirida na Europa pelo governador Francisco Salles, para ser montada sobre o rio Grande no lugar denominado Funil.

Após sua inauguração o pedágio não era mais cobrado e o caminho dos tropeiros ficou novamente movimentado. Os tropeiros existiram até a metade da década de 50. Muitos tropeiros que por aqui passavam por aqui ficaram, constituíram famílias, como o tropeiro Antônio Timóteo, que há 60 anos fundou a tradicional Casa de Couro Santo Antônio, que existe até hoje. Outros tropeiros de Lavras partiram e nunca mais voltaram, se estabeleceram em outras paragens, porque assim era a vida daqueles que abasteciam o comércio, as fazendas e as famílias. Os tropeiros eram partes da vida da zona rural e das cidades pequenas. Muitos caminhos abertos pelos tropeiros foram se constituindo em estradas e os lugares onde ajeitavam seus pousos foram formando vilarejos que se tornaram mais tarde em cidades.

Agora em Lavras um grupo quer resgatar a história do tropeirismo e amanhã, domingo, dia 6, será realizada uma tropeata, um desfile de burros e mulas revivendo a época que levava boiada para outras regiões, trazer tecidos, talheres e novidades vindas da Europa, principalmente da França, para ser comercializadas nos caminhos dos tropeiros.

O desfile de amanhã tem por objetivo resgatar essa riqueza cultural, uma comitiva com 60 burros e mulas sairá às 10h do antigo Centro de Eventos, passará pela região central da cidade e seguirá até o Centro Hípico próximo à Casa da Goiaba. Na chegada haverá a tradicional Queima do Alho, comida típica feita pelos tropeiros na beira da estrada.

Clique AQUI e comente no facebook do Jornal de Lavras

 
 
www.jornaldelavras.com.br
A informação a um click de você
#jornaldelavras @eduardocicarelli @sabrinacicareli

.

Vídeos:

.  

Leia também:

Senar: cursos gratuitos para os trabalhadores rurais do Sul de Minas -21/05 a 27/05/2018

 

Mercado Municipal abre licitação para ocupação de quatro lojas

 

 

Polícia Civil desencadeou a maior operação contra a pedofilia no Brasil

 

 

Saúde de Lavras recebe quase R$ 400 mil de verba parlamentar destinada pelo deputado Fábio Cherem

 

Uso de celular durante as refeições pode engordar, concluiu pesquisa na Ufla

 

 

Vídeos nas redes sociais mostram mortandade de peixes no rio Grande, na região de Lavras e Ribeirão Vermelho

 

 

.

Voltar Envie para um amigo


 www.jornaldelavras.com.br - A informação a um click de você
WhatsApp: (35) 9 9925-5481
Instagram: @jornaldelavras 
Twitter: twitter.com/jlavras 
Facebook: www.facebook.com/jornaldelavras