Quem somos
|
Arquivo
|
Anuncie
|
Contato
|
Sua página inicial


início
prêmios
lavras tem
agenda
busca


cotidiano / Tecnologia /


Publicada em: 28/07/2016 09:34 - Atualizada em: 28/07/2016 12:19
Eficácia do óleo de macaúba como biodiesel é comprovada em pesquisas da Ufla
Pesquisadores das áreas de Engenharia e Química da Ufla iniciaram os estudos para se chegar a um biodiesel de qualidade a partir dessa oleaginosa

 

Biodiesel do óleo de macaúba. Foto extraída do site Ascom/Ufla

 

.


Dê play e conheça o Toledo Residencial


  Jornal de Lavras:  (35) 9 9925.5481    @jornaldelavras     @jornaldelavras    @jlavras    

Uma palmeira nativa do Brasil com grande potencial na produção de óleo vegetal tem se destacado nas pesquisas da Universidade Federal de Lavras (Ufla): a macaúba. Estudos já indicavam que ela tem a capacidade de produzir até cinco toneladas de óleo por hectare. Pensando nisso, pesquisadores das áreas de Engenharia e Química da Ufla iniciaram os estudos para se chegar a um biodiesel de qualidade a partir dessa oleaginosa.

Com folhas perenes e espinhosas, ela é encontrada com muita frequência em Minas Gerais, assim como em São Paulo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Tocantins, Piauí e Ceará. "Somente em Minas há aproximadamente dois milhões de hectares de maciços naturais de macaúba. Isso pode gerar uma nova renda. O agricultor só vai precisar coletar e vender", comenta o professor de Engenharia na Ufla Pedro Castro Neto, um dos envolvidos na pesquisa.

Mas, para chegar ao resultado final os pesquisadores da Ufla tiveram que realizar diversas tentativas. O professor explica que a macaúba possui um alto índice de acidez, chegando a mais de 50%, sendo assim, todo o processo para deixar o óleo com qualidade, de maneira que possa ser utilizado no biodiesel, foi diferenciado, por meio da catálise ácida. "Hoje, conseguimos adequar a tecnologia, para produzir a partir do óleo de macaúba um biocombustível de excelente qualidade, que possa ser utilizado no País", relata Pedro Neto.

Nesse processo também esteve envolvido o Laboratório de Química do Núcleo de Estudos em Plantas Oleaginosas, Óleos, Gorduras e Biocombustíveis (G-Óleo) da Ufla. Para que o teste fosse realizado em grande escala, primeiramente foram feitas várias análises e testes no laboratório em pequenas quantidades.

Após a finalização, o biodiesel foi encaminhado para Ronald Leite Barbosa, estudante de doutorado em Engenharia Agrícola na Ufla, sob a coordenação do professor de Engenharia Carlos Eduardo Silva Volpato. Eles realizaram diversos testes em um trator, tendo como base distintas quantidades do biodiesel proveniente do óleo de macaúba, mais o diesel comercial. Assim foram analisando como a máquina reagia e ainda verificando as quantidades de gases emitidas pelo escapamento do trator. "Os resultados foram sensacionais, muito promissores, permitindo que o óleo de macaúba seja utilizado como biodiesel de maneira segura", relata Volpato.

Volpato explica que o diesel que compramos hoje no posto de gasolina é o B7, ou seja, tem 7% de biodiesel. "No nosso caso, nós fizemos os ensaios com B20, B50, B80 e B100. O B20 significa que 80% é o diesel do posto de gasolina e 20% é o transesterificado do óleo de macaúba. O B50, metade de um e de outro. O B80, 80% de macaúba e 20% do convencional. E o B100, totalmente óleo de macaúba", afirmou.

A pesquisa mostrou que todos os resultados de torque, potência, consumo, emissão, com o B20, foram os melhores. "Já é um significativo ganho. Os resultados foram positivos, tanto tecnicamente quanto na questão ambiental. Na parte técnica, com relação a todas as misturas, o B20 foi o que se comportou melhor, apesar dos outros também terem resultados satisfatórios, em relação ao diesel do posto de gasolina. Já na questão ambiental, os resultados foram excelentes. Ressaltando que todas as misturas deram emissões de gases de particulados abaixo do registrado pelo diesel convencional. E é um biodiesel que pode ser utilizado em todos os veículos que tem um motor de ciclo diesel, como caminhão, caminhonete, ônibus, trator", relata Volpato.

Para o professor Pedro, os resultados que esse biodiesel apresentou foram sensacionais. "Além disso, o biodiesel é renovável, esse carbono a ser queimado no motor volta para a atmosfera, mas a planta retira o carbono da atmosfera para gerar um novo óleo, então estamos renovando sempre. É isso que queremos, desenvolver essas novas tecnologias", comentou.

Fonte: Ascom/Ufla

 
www.jornaldelavras.com.br
A informação a um click de você 
 

Leia também:

Ufla poderá armazenar vacinas do Governo do Estado em seus Ultrafreezers Decreto da Prefeitura de Lavras prevê uso obrigatório de máscara também em vias públicas
   
PM de Lavras aborda homem que portava réplica de arma de fogo na cintura Prefeitura de Lavras publica decreto com menos restrições que a Onda Vermelha do Minas Consciente
   
CDL Lavras informa que medidas estão sendo tomadas pela entidade para tentar evitar o fechamento do comércio - veja vídeo Comerciantes de Lavras manifestaram contra aplicação da fase restritiva da Onda Vermelha
   
Rua de Luminárias com 9 faixas de pedestres virou meme nas redes sociais Covid-19: Associação Médica de Lavras manifesta através de nota oficial
   
LabCovid e Prefeitura de Ingaí realizam coleta para exame de Covid-19 Começou a campanha de vacinação contra a Covid-19 em Lavras
   
.

Voltar Envie para um amigo


 www.jornaldelavras.com.br - A informação a um click de você
Lavras/MG
WhatsApp: (35) 9 9925-5481
Instagram: @jornaldelavras 
Twitter: twitter.com/jlavras 
Facebook: www.facebook.com/jornaldelavras